terça-feira, maio 08, 2007

Tropeço da Voto


É incrível quando uma revista comete um erro homérico de português, sabendo-se que um número grande de pessoas trabalham na redação e não apareceu ninguém para corrigir. O fato se agrava ainda mais quando o erro se dá na capa e é repetido na matéria.
Em tempo, na última Revista Voto saiu em manchete: "30% da população de Porto Alegre não SABEM que Fogaça é o prefeito". Tudo bem que tem muita gente não sabe disto, mas poderia ter sido escrito de forma certa.

Em Tempo: os comentários me apontam que está certo como apresentado pela revista. Juro, larguei a língua portuguesa. Como engenheiro fico por aqui, depois desta nada mais me cai bem ou não no nosso vernáculo. Veja abaixo a definição de silepse:

A silepse , concordância irregular ou concordância ideológica é uma figura de estilo ou linguagem de sintaxe que se traduz num tipo de concordância com ideias ou sentidos apenas subentendidos na frase.
Exemplos:
A manada seguia pelo caminho e dirigiam-se para onde o vaqueiro queria.
Os operários desta fábrica nem sempre somos elogiados pelo trabalho.
Os professores nos reciclamos anualmente.
Os alunos deveis estudar.
Nenhuma das frases de exemplo, nem mesmo a manchete da revista Voto me parecem sequer próximas de estarem corretas, mas.... A única saída honrosa para mim é que se trata de ESTILO e não regra gramatical, mas é tido como aceitável. Inaceitável.

10 comentários:

Blogueiro disse...

ESTE 30% DE ELEITORES DEVERIAM RASGAR SEUS TÍTULOS, SÃO ANALFABETOS POLÍTICOS.

ASSIM DA PRÓXIMA VEZ NÃO VOTAM ERRADO, E NÃO COLOCAM O ESTADO, EM PREJUIZO DE OUTREM, EM MÃOS NOCIVAS.

DEVERIAM SEREM MAIS RESPONSAVEIS E RASGAREM SEUS TÍTULOS, ASSIM SÓ PREJUDICAM A SI MESMOS.

César disse...

Não será um uso/tipo de silepse? Já não lembro bem...

Anônimo disse...

Não está errado. É um caso de silepse, como sugeriu César. A concordância é com o sentido (30% é mais do que uma pessoa, logo....) Ver em:
http://www.gramaticaonline.com.br/gramaticaonline.asp?menu=1&cod=77

Anônimo disse...

Pois é meu jovem, você tentou corrigir o que está correto. Ali, cabem as duas formas, singular ou plural. Trata-se de uma silepse, como bem se expressaram os internautas acima. Quer um conselho? Tira este "post", porque já está pegando mal e queimando o teu filme.

Jean Scharlau disse...

Caro Meia Cinco, nestes exemplos que deste depois, o princípio é deixar de dizer uma parte da fala que fica implícita, que poderia ser dita mas parece desnecessária, e é com esse termo implícito que é feita a posterior concordância.

"A manada seguia pelo caminho e [todos os animais] dirigiam-se para onde o vaqueiro queria.
Os operários desta fábrica (, nós,] nem sempre somos elogiados pelo trabalho.
Os professores [, nós,] nos reciclamos anualmente.
Os alunos (, vós,}deveis estudar."

Questão de estilo aqui referir-se-ia apenas à opção pela sínte-se, pela supressão de um termo deixado implícito por parecer óbvio e automático ao autor.

Mas não acho que seja este o caso do primeiro exemplo, o da revista. Acho que lá o plural combinou corretamente com o primeiro numeral, ou seja, dita a frase de outra forma: "30 partes da população não sabem..."

Abraço. Jean Scharlau

Natália Gaion disse...

Caro agente meia cinco,
Venho esclarecer que na edição atual (32) nosso revisor divulgou uma nota sobre a correção gramatical tão julgado.

Segue esclarecimento:
“O uso do singular/plural em percentuais tem gerado freqüentemente muitas dúvidas. O professor Paulo Ledur, em sua obra “Português Prático”, editado pela AGE, na página 100, ensina:
Expressões que indicam percentagem:
- Com as expressões indicadoras de percentagem, o verbo que pode ser usado no singular ou no plural;
- Quando o número percentual estiver determinado, o verbo concorda com o número;
Para a Revista VOTO e outras publicações, a Press Revisão adota o critério do verbo no singular até 1,9% e no plural a partir de 2%”.

Um abraço.

Natália Gaion
Produtora - RevistaVOTO

adreson disse...

Sendo silepse ou não, a frase fica esquisita.

Se eu tivesse usado este recurso na escola, acredito que não seria aceito.

André RB disse...

"Um número grande (de pessoas) TRABALHA" e não "trabalhAM".

Anônimo disse...

É regra sim, pois quando indicar porcentagem(ou percentagem, como preferirem)está implícito o plural, até porque 30,aí no caso,passa de 1.Portanto, passou de 1 por cento, ou melhor, de dois por cento em diante o verbo vai para o plural.Ex.: 1% dos municípios tem coleta de lixo seletiva ou 7% dos municípios têm coleta de lixo seletiva.
Mariel, professora de Português e revisora de textos

Anônimo disse...

Acho que o Blogueiro não está muito bem informado a respeito de regras gramaticais, pois escrever "DEVERIAM SEREM MAIS RESPONSAVEI..." foi o fim""Ai...O certo é "Deveriam ser".

Mariel