segunda-feira, janeiro 22, 2007

Mercosul e o império





Fiquei estarrecido com a cobertura da mídia sobre a cúpula do Mercosul e aqui não quero entrar nas questões diplomáticas e sobre a relação entre os países em si, mas me debruçar rapidamente sobre qual seria a opinião dos EUA na questão do Mercosul.

Os EUA tem um plano próprio de integração continental, se chama ALCA e é a melhor jogada econômica já colocada em prática, se você for americano. Para todos os demais a proposta da ALCA é a falência total de qualquer possibilidade de desenvolvimento sustentável e equilíbrio social. No final do governo FHC as coisas iam bem na direção da ALCA, mas Lula derrotou o projeto neoliberal e as coisas ficaram um pouco piores para os gringos ao sul do equador. Lula até foi pressionado pela imprensa por virar de costas a proposta americana e o debate cruzou o país.

Na ocasião ficou claro que havia algo novo no ar e não era apenas no Brasil, os governos alinhados à direita e que rezavam na cartilha americana caíram um a um pelo voto popular, o clima havia fechado. O Brasil a partir de 2003 passou a incidir nas economias emergentes e não alinhadas, buscando a China, a Índia, África negra e a américa latina em especial. Isto acendeu a luz vermelha na Casa Branca, a formação de blocos econômicos alternativos ia de encontro com os interesses do império.

Qual não foi a reação da imprensa brasileira? Seu ponto de vista é idêntico ao do Departamento de Estado americano, ou seja, a crítica ao Mercosul é insana, entreguista e injustificável sob o ponto de vista econômico e político. O Brasil nunca exportou tanto e com câmbio tão baixo proporcionalmente como agora, a Venezuela aumentou e muito a importação de produtos brasileiros e o superávit das exportações é o maior da história. É o melhor dos cenários.

A questão da Bolívia é clara, o Brasil por ter melhores condições não pode se valer disto para ter uma relação imperialista com o país vizinho, o preço interncional do gás natural é de cerca de US$ 5 e o Brasil compra a US$ 1 por tonelada do produto, porque o gás tem política de preços diferente da do petróleo? Ninguém sabe ou consegue responder. As reservas de petróleo e gás no Brasil são propriedade inalienável do Brasil e são explorados por contratos de risco, porque seria diferente na Bolívia?

No Mercosul são 365,6 milhões de pessoas, com um PIB de US$ 2,97 trilhões de dólares o Brasil acerta em investir nesta idéia, apesar de estar contrariando interesses econômicos gigantescos, mas preservando os interesses brasileiros e latino americanos, os críticos representantes lesa-pátria estão aí bradando a soldo estrangeiro, temos de ficar atentos e compreender que as oligarquias brasileiras são entreguistas e perversas. a integração é uma necessidade, mas não de qualquer maneira ou com qualquer um, o povo decidirá.





Technorati Tags: , , ,



powered by performancing firefox

2 comentários:

Cristóvão Feil disse...

Muito boa a tua análise. Correta. Só um adendo: não existe oligarquia brasileira. Existe oligarquia do Brasil.
Abç.

Anônimo disse...

Agente65, duas coisas: a primeira, que eu e o Eugênio queremos entrar em contato contigo. Escreve para nós para o endereço eletrônico que está no nosso blog, tá?
Segunda: a União Européia levou 20 anos para se instaurar, justamente pelas diferenças das nações envolvidas. Ajustar interesses não foi fácil, tanto é assim, que o reino Unido não faz parte dela. A nossa mídia, de propósito, "esquece" deste antecedente histórico. No mais, aguardamos teu contato!