sexta-feira, abril 13, 2007

BBB e os chatos





Big Brother Brasil é um saco. Juntam um punhado de gente num local fechado com câmeras e microfones por todos os lados e dividem o seu cotidiano enfadonho de pessoas de pouca ou nenhuma cultura com um enredo arrastado mais chato que ler o Memorial de Aires ou A Montanha Mágica ao mesmo tempo.

Machado de Assis e Thomas Mann devem estar querendo me matar pela citação leviana, mas os dois livros tem uma vantagem. Quem consegue passar das primeiras páginas entediantes vai se apropriando do autor e vendo seus personagens em outra perspectiva, mas há de ser persistente. No programa de TV quanto mais se vê, mais se arrepende de tê-lo visto.

Intrigas sem sentido, armações idiotas e manifestações do que o ser humano tem de mais basal. O programa dura meses e retorna sistematicamente, cada vez com figuras diferentes, gente sem sentido e frases típicas. Que horror. Basta não assitir.

Não assisto. Fico de fora dos comentários, referem-se aos jogadores pelos apelidos e vivenciam as estratégias sem que eu entenda palavra do que está sendo dito. Isto eu consigo superar, mas o que dói e dá vontade de sair correndo é o pós BBB. Os jogadores anteriores, agora transformados em "artitas", ainda estão desfilando pela telinha falando de suas "experiências" na "casa" e já vem nova leva com menos ainda pra dizer.

Claro, sempre rola uma sacanagem ou namoro no período de confinamento, afinal ninguém é de ferro. Mas os jornais e revistas ao término da seção de tortura estampam: Será que durará? Será? Meu deus!

Olha, este BBB deve ser interessante para vadio que adoraria ficar três meses sem nada fazer e ainda poder ganhar uma grana, aliás eles fazem de tudo lá, menos ler um livro ou trabalhar. Muito edificante.





Technorati Tags: , ,



Powered by ScribeFire.

4 comentários:

Jean Scharlau disse...

Para formar imbecis, faz-se necessário o estrelato da imbecilidade - nada novo ou surpreendente aí, ainda que sem,pre nos choque.

sisqueci disse...

E o insuportável é quando as editorias de cultura descolam algum "teórico da comunicação" para fazer uma análise "sociológica" do fenômeno. ZH Cultura, umas duas semanas atrás, publicou um artigo duma professora da Unisinos enaltecendo este programa bagaceiro. Um atentado à inteligência do leitor.

DANIEL PEARL disse...

Fato estranho foi à união do jornal O "Estadão" com a "Veja". Ousadia ou necessidade? Outro fato hilariante foram às críticas do ex-presidente e entreguista FHC ao presidente Lula de conversar com os líderes da oposição para aprovar projetos de interesse do país. O que você precisa tomar conhecimento é entrevista bombástica do ex-repórter da TV Globo, Rodrigo Vianna: demitido após se recusar a assinar um abaixo-assinado defendendo a cobertura eleitoral da emissora, confirma que, de fato, existe interferência política no Jornal Nacional. "Será que a Rede Globo fez uma opção parecida com a da Igreja Católica de Ratzinger?" A grande imprensa e seu colunismo político golpista vivem comparando o crescimento econômico do Brasil com o do Haiti por conta da evolução do PIB que este país tem apresentado nos últimos dois anos, pois aquele país tem crescido pouco devido aos problemas político-institucionais e sociais que enfrenta. Acesse o DESABAFO PAÍS. Daniel - http://desabafopais.blogspot.com

Láldert Castello Branco disse...

Prezado agente 65....

Gostei do blog. Ótima idéia a do contador de dias para o término do governo da Yeda. Estamos solidários com vocês.

Aproveito e o convido para conhecer meu blog:

http://naperiferiadoimperio.blogspot.com/

Um abraço

Láldert