quinta-feira, fevereiro 15, 2007

Milagres acontecem

Meu pai sempre dizia, reza meu filho, reza que pode acontecer um milagre. E não é que aconteceu! David Coimbra escreve em Zero Hora e normalmente sobre frugalidades (mulher e futebol), isto lhe garante certamente trânsito livre ao que escreve e talvez ninguém da redação dá bola pra ele, mas não é que deu a louca no homem?! Olha só um trecho da tal coluna:

A propósito: dias atrás, li que a prefeitura de Porto Alegre está se jactando de fazer uma gestão muito enxuta, muito econômica. A prefeitura de Porto Alegre está satisfeita com sua atuação, ao que parece. Pois vou dizer: nunca, desde que os casais açorianos chegaram ao canal onde os escravos ergueriam a Ponte de Pedra, em 1845, nunca, desde então, Porto Alegre esteve pior. Nunca houve tanta gente abandonada nesta cidade, nunca se viu tantos mendigos esmolando pelas esquinas, tantos sem-teto dormindo debaixo das marquises, famílias morando dentro de canos, gente aos molambos emergindo dos esgotos feito ratazanas subnutridas, e pior, muito, muitíssimo pior: nunca houve tantos meninos e meninas vagando sozinhos pelas ruas, de pés descalços, imundos, ranhentos, tratados como cachorros nas sinaleiras.

Essa é a gestão da prefeitura de Porto Alegre.
Leiam o resto, é leitura obrigatória!

Meu pai tinha razão, milagres acontecem! Quando que ia imaginar que alguém deste jornal fosse falar algo tão inteligente e tão certo e maneira tão direta! Parabéns David Coimbra!


Technorati Tags: , ,

powered by performancing firefox

Um comentário:

andre passos disse...

Ave amigo Stolte,

Por certo milagres acontecem. Mas não me parece que este seja o caso. O referido jornalista ocupa posição de destaque na ZH. Posição de destaque diferente de um Veríssimo, p. ex., que escreve o que quer. O David Coimbra, salvo grande engano, tem trajetória marcadamente restrita ao grupo RBS. É um, por assim dizer, "funcionário de carreira". Cresceu organizado pela linha editorial. É díficil crer que a editoria de ZH tenha deixado escapar uma coluna politizada assim... O que parece estar acontecendo é um inevitável movimento da RBS para preservar seu espaço - mercado? - de opinião - formadora? Não é possível manter-se alheio e alienado do zum-zum-zum das ruas por muito tempo... Perde-se mercado, quando o negócio é mídia... Perde-se "confiabilidade" ideológica, quando o negócio é política. E eles estão nas duas coisas... necessitam estar para sobreviver economicamente. Em um determinado momento é preciso posicionar-se. Para o bem ou para o mal. No caso em tela, me parece que a ZH percebeu o potencial do, como dizes, Fumaça, para afundar seu projeto de hegemonia ($$$) no Estado do RS (mandar na prefa e no governo estadual). Começa, assim, a construir uma distância olimpica. Vão-se os quadros políticos (Fumaça) fica o partido (RBS), aparece outro candidato (Záchia?). Milagres? Acontecem... mas dificilmente quando o que está envolvido é interesse econômico (muito) e política.

Abraços
André

P.S. Está muito bom o teu blog.