quinta-feira, março 13, 2008

Assembléia ridicularizada


Justiça, onde?

A frase do dia ficou a cargo do marginal Ubiralara Macalão, réu confesso de várias trampolinagens de desvio de recursos na Casa do Povo riograndense, disse que "A Assembléia é a minha casa".
Deve ser mesmo a casa dele, a casa da mãe joana. A analogia com a Assembléia, o local de trabalho do meliante, com a sua residência não é aleatória. Achar que a coisa pública ou parte dela tem dono é chamado de patrimonialismo e nesta concepção não há problema em usar recursos públicos para seus próprios interesses. Usar veículo oficial para buscar as crianças na escola, viajar com diárias para visitas turísticas, empregar na administração amigos pessoais em dificuldades financeiras, etc, são alguns exemplos desta prática.
O antídoto a esta prática nefasta e anti democrática é o republicanismo. República vem do grago e quer dizer coisa pública, coisa de todos. Os gestores, sendo eles servidores ou cargos de confiança, estão à serviço da sociedade e não aos seus próprios interesses. Macalão representa o que existe de pior para o serviço público, corrupto e parasita pago pelo dinheiro dos impostos que todos nós pagamos e ainda diz que o nosso espaço é a SUA casa!
É a nossa casa! O lugar de Macalão é a cadeia, onde deveria estar em companhia de outros parceiros seus. Macalão está de volta à função pública reintegrado e com todos os retroativos possíveis, pois o judiciário brasileiro é leniente. Pobre vai para cadeia sem julgamento com um instrumento chamado preventiva, já o rico tem um instrumento chamado de liminar.
Não haverá democracia no Brasil sem um judiciário condizente, este é o debate necessário no episódio Macalão e que jamais veremos nas páginas da PIG.

3 comentários:

heliopaz disse...

Agente,

Outro dia, fiquei estarrecido com a declaração de um amigo de infância que é hoje um advogado muito bem-sucedido.

Ele disse que, caso fosse juiz e tivesse recebido proposta de suborno de uma das partes, mesmo que ele tivesse certeza absoluta de que essa mesma parte interessada realmente tivesse razão na causa, aceitaria o dinheiro do mesmo jeito.

Cara... Ele é de uma família tradicional de advogados: avô, pai e tem um irmão menos esperto e mais novo como pupilo.

Isso que, em diversas vezes, sei que vários deles já votaram no PT.

Triste. Afinal de contas, é um poder que deveria fazer a justiça e receber um valor justo pelo seu trabalho, não um "por fora" com a possibilidade de alterar o resultado do jogo, entendes?

Nesse ponto, o Brasil não tem saída.

[]'s,
Hélio

a disse...

Atualmente, a Assembléia, tem cerca de 5 CCs para 1 servidor concursado, ou seja, lá não é lugar de quem se esforça, estuda e se qualifica, mas sim de quem é parente, amante ou cabo eleitoral de políticos. Muitos nem pisam na por lá, ficam no interior fazendo campanha as nossas custas!!!

Isso tem que ser denunciado, tem gente lá dentro fazendo funções administrativas, que deveriam ser de concursados!!!

Muitos políticos fazem a chamada sacanagem cruzada, ou seja, empregam seus parentes e amantes no Judiciário ou MP e, em troca, empregam parentes e amantes de membros de lá na Assembléia. Uma vergonha!!!

Teresinha Carpes disse...

HélioPaz,o que tem haver a chicana de advogado com o voto dado ao PT,não dá prá entender,se os prêsos tem o dieito de votar em quem êles quizerem,não quer dizer,que se um condenado a cumprir pena numa prisão se este votar no PT,todo mundo no partido é capaz de cometer este crime,o que é isto companheiro?Você reza pela cartilha dos tucanalhas,que são excludentes,ou está indo para aquele caminho...Deus te livre!