quarta-feira, junho 11, 2008

A Bolívia não é o Kosovo



Após a secessão do Kosovo, província sérvia tornada "independente", é a
Bolívia que o imperialismo tenta dividir.
Uma das primeiras medidas do novo governo fantoche do Kosovo foi autorizar empresas americanas a explorar as imensas reservas petrolíferas do pequeno país. Trata-se do mesmo procedimento aqui ao lado com a Bolívia, rica em petróleo e gás e com grandes divisões tanto étnicas como econômicas, igualmente ao caso europeu. Um escândalo!
A história mostra as terríveis conseqüências de processos
divisionistas e separatistas induzidos e insuflados por interesses
estrangeiros.
Subscreva a mensagem de apoio ao governo do Presidente Evo Morales Ayma, às
suas políticas de mudança e ao processo constituinte soberano do povo
boliviano que segue abaixo:

"A Conspiração para Dividir a Bolívia deve ser denunciada"

O processo de mudanças em favor das maiorias na Bolívia corre o risco de ser brutalmente coartado. A ascensão ao poder de um presidente indígena, eleito com um respaldo sem precedentes nesse país, e seus programas de beneficio popular e de recuperação dos recursos naturais, tiveram que enfrentar desde os primeiros momentos as conspirações oligárquicas e a ingerência imperial.

Nos dias mais recentes, a escalada conspirativa alcançou suas cotas máximas. As ações subversivas e anticonstitucionais com que os grupos oligárquicos pretendem dividir a nação boliviana refletem a mentalidade racista e elitista destes setores e constituem um perigosíssimo precedente, não só para a integridade desse país, mas também para a integridade de outros países de nossa região.

A história mostra com sobrada eloqüência as terríveis conseqüências que em todos os terrenos têm tido para a humanidade os processos divisionistas e separatistas induzidos e respaldados por poderosos interesses forâneos.

Diante desta situação, os abaixo-assinados queremos expressar o nosso respaldo ao governo do Presidente Evo Morales Ayma, às suas políticas de mudança e ao processo constituinte soberano do povo boliviano. Ao mesmo tempo, rechaçamos o chamado Estatuto autonômico de Santa Cruz por seu caráter inconstitucional e por atentar contra a unidade de uma nação da nossa América.

Chamamos todas as pessoas de boa vontade a unirmos nossas vozes para denunciar por todas as vias possíveis esta manobra divisionista e desestabilizadora em uma hora histórica para a América Latina.

Um comentário:

claudia cardoso disse...

Agente, acho que derrubaram o linque da página. Fui assinar o manifesto e não consegui acessá-la, pelo menos, às 20h44min do dia 14/06.
A saber.
Abraço!