sábado, agosto 30, 2008

Vira-casaca


Acreditem, a máscara deixou-o mais bonito!

Engraçado que nesta eleição não ouvi nada na PIG sobre o argumento que gaúcho não gosta de político que troca de partido. Lembram? Isto era martelado sistemáticamente de peito estufado. Mas isto era antes de descobrirem a corrupção no estado.
Me dei conta que a chapa de situação, Fumaça e Fofunatti, é composta na integridade por vira-casacas. Fumaça abandonou seu nanico PPS, deixando alguns furiosos com o prefeito-poeta, mas enchendo de orgulho Antônio Britto e juntos filiaram-se novamente ao velho e mofado PMDB.
Fofunatti é oriundo do PT. Não suportou a democracia interna do partido que, no voto, escolheu outro. Fofunatti é tão egocêntrico e narcisista que atribuiu sua derrota a uma grande conspiração. Não era conspiração nenhuma, ninguém gostava dele no PT. Foi praticamente sozinho pro PDT e hoje está à direita do Vieira da Cunha.
A dupla é de chorar. Chora Porto Alegre.

2 comentários:

Olair disse...

Na realidade o Fofunati saiu do PT pois queria concorrer para prefeito e vejam só, anos depois está concorrendo como vice do Fumaça. Nem Sófocles não previria uma tragédia dessas.

heliopaz disse...

Agente,

Pela primeira vez na minha vida, com profundo pesar, decidi que não vou votar para prefeito. Meu voto vai para algum vereador do PT que seja de uma ala combativa e honesta com a que pertencem o tio Olívio, o Rossetto, o Raul e o Arno Augustin.

O resto é discurso vazio, pseudo-esquerda, louros à especulação imobiliária, serviços públicos de qualidade cada vez pior e uma cortina de fumaça sobre esporte, saúde, educação, ecologia e desenvolvimento sustentável.

Quem não é claro nem intransigente e radical à esquerda nos quesitos acima, não merece meu voto.

Porque desenvolvimento não é dar cidadania plena aos motoristas e tratar pedestres e ciclistas como párias; porque aceitar espelhinhos de empresas estrangeiras que ganham arrego do Estado e do Município (terraplanagem, água, esgoto, energia elétrica, eólica e gás) é um falso incremento no ICMS e no ISSQN a longo prazo e com prazo de validade pré-estabelecido.

Enfim... O financiamento de campanhas, as trocas de partido e todos os interesses graúdos rapidamente resolvidos e os interesses da multidão engavetados não me fazem confiar em ninguém.

E o PT de Verle, Tarso, Rosário, Bordignon e outros é desse tipo: o do "diálogo", não o de tentar mudar o status quo.

[]'s,
Hélio