segunda-feira, agosto 11, 2008

A revolta de Germano


No banco dos réus, finalmente!

O deputado Otávio Germano (PP) descende de uma velha oligarquia gaúcha. Uma família cachoeirense que fez vários prefeitos e é detentora da retransmissora da RBS TV da região, assim como rádios e jornal. Dizem que nada acontece em Cachoeira sem o consentimento dos Germano, são sócios em vários contratos públicos e concessões. Pregam o liberalismo, mas não soltam a teta do estado.
Sempre deram sustentação a ditadura militar brasileira, coordenaram a campanha de Collor de Mello no estado e nunca deixaram Maluf a ver navios. Ou seja, tudo gente fina.
Agora, Zé Ó está atolado na merda até o pescoço. A fleuma é a mesma, estar só de cuecas não influencia sua atitude. Se elegeu com uma campanha acintosa, como se fora um candidato a governador. Diheiro não faltou. Revelado a origem de tamanha ostentação, declara-se indignado com o Ministério Público. Ele pertence aquela estirpe que jamais foi investigada na vida, por isto a fortuna acumulada.
Eu também estou indignado com o MP, mas por sua lerdeza! Deixou terminar a CPI para fazer uma investigação sólida? Que estranho! A sociedade, que o MP representa, deve fazer todo o possível para colocar o deputado na cadeia, juntamente com seus comparsas.
Lembrem que Collor nunca foi condenado a nada, apenas foi impedido de terminar seu mandato. A justiça (?) não conseguiu condenar o pobrezinho. O dinheiro no Uruguai, a Casa da Dinda, o Fiat Panorama, o caseiro e etc, ficaram impunes. Agora os tempos são outros. Cabe ao MP decidir se vivemos mesmo numa democracia ou se alguns permanecerão mais iguais que outros.

2 comentários:

Olair disse...

Agente, esperar o que de um MP estadual que pregava até poucos dias atrás a extinção do MST.

Lau Mendes disse...

É só jogo de cena. A turma esta doidinha para que o processo fique em "casa". Bom-bom para todos e continuaria a "corrente prá frente" do somos todos compadres.
Vergonha.