sexta-feira, janeiro 08, 2010

O isolamento do PT


Sopa de letrinhas, o caminho da derrota.


É um período morno, muitos estão de férias e nada de significativo acontece. Na política não é diferente e nada pode ser pior para um jornal ou meio de comunicação. Matérias sobre protetor solar, perigo do sol e a necessidade de hidratação tem limite, bem como as coberturas catastróficas das chuvas e mortes no trânsito. Sic transit gloria mundi, assim segue a humanidade.
Como por tradição, não há verão sem uma longa cobertura de Zero Hora do ancião senador gaúcho na praia com fotos lindas cercados de próceres. Rosane Oliveira, porta-voz do governo Yeda do qual Simon sustenta, beija e apoia, fez sua benção anual também. Buscam fazer do turco um estadista que nunca foi. Como senador destacam-se seus discursos inflamados contra o governo federal e seu silêncio em relação ao estado que representa (?), como governador sua marca foi não tê-la. Foi o governador mais não governo que o estado já teve, simplesmente não aconteceu.
Bem, mais não é só de férias de senador que a mídia trabalha nestes períodos de verão. É período fértil para as intrigas e balões de ensaio, geralmente contra a esquerda e buscando esquentar um candidato queridinho das elites. Como diz Opinião Singela, enquanto o PT busca conchavos, a RBS fala em pacto e acordo entre PDT e PMDB. Enquanto Simon descança em merecidas férias, Lula vai à praia com isopor de cerveja. O difícil de engolir é o pessoal do próprio PT cair na cantilena.
Lula é um gênio da política. Já foi dito que a legitimidade vem da popularidade, Lula consegue ser unânime no PT e decretou de cima para baixo que a candidata a sucedê-lo seria Dilma. Não perguntou a ninguém. Imaginem se tivesse deixado para o partido resolver! Figuras como Polocci, Berzoini ou Dirceu se alvorariam e o partido entraria em guerra civil declarada (ainda está em détente). Lula escolheu e contornou o problema, sabe que o partido está mais fraco e menos unido que nunca e que Dilma pode concentrá-lo e fortalecê-lo, tem perfil de esquerda e destemida.
O fogo amigo aqui no estado vem das forças conservadoras do PT e de uma parte de sua esquerda que desbundou. Entendem que o PT (Tarso) deve se aliar com quem quer que seja, na base do tudo ou nada. Argumentam que o PT está isolado, que está sozinho. O PDT, PC do B e PSB estão insistindo muito numa terceira via e fariam aliança até com a direita para sustentar sua política de sobrepujar o PT mesmo pagando alto custo por isto, mas garantindo uma fatia maior de poder.
Ora, o PT está isolado? Mas quem está com quem no pleito deste ano? Fogaça já garantiu alguém além dos nanicos sob o gurda-sol de seu governo? Que partido fechou aliança? Nenhum! E porque só o PT estaria isolado? Que conversa de louco é esta? A verdade é que a sucessão de Yeda está em mandrake geral, tudo parado. Ninguém se mexe, ninguém junta o sabonete, um perfeito impasse.
Yeda ganhou as eleições estaduais com o PT debaixo de escândalos promovidos por segmento do PT nacional, uma conjuntura extremamente desfavorável. Hoje a batata quente é deles! São eles que estão abraçados ao governo de Yerda e seus escândalos de corrupção.
As condições para uma vitória da esquerda no estado estão muito boas. Alianças com PTBs e PMDBs só prejudicariam nossas propostas e nos tirariam o discurso de oposição. Quem está na base do governo Yeda não serve para ser aliado do PT no Rio Grande  do Sul e é assim que alcançaremos a vitória, limpinhos.





Powered by ScribeFire.

7 comentários:

César Bento disse...

Obrigado pela citação! QUanto ao isolamento do PT, acho que não é fruto da imaginação. O que parece estar deixando o quadro em suspenso é a situação do PDT e da tal "terceira via".
O PDT espera a melhor oferta, além de considerar o "fator Lula" na definição das alianças, o que fez com que o Lupi cobrasse apoio do Fogaça a Dilma. O PSB (Beto Albuquerque) tenta se viabilizar com partidos que vão da direita (PP)ao PC do B, que nunca se negou a "grandes lianças".
A equação é muito complexa. Ainda bem. A única possibilidade de o PT vencer está na divisão dos adversários. Se chegar no segundo turno sozinho, vai perder de novo, pois não conseguirá ampliar. Nesse momento, deve estar saindo fumacinha das cabeças do PT.
Segundoa abelha rainha, o PMDB diz que essa é a eleição da vidfa de Tarso e que o PT vai entrar com tudo.Nâo tem jogo jogado, mas o quadro está em aberto.Só espero que o Tarso não seja abandonado como aconetceu com a MAria do Rosário

Marcelo Quevedo disse...

Caro Agente 65, concordo na íntegra com a tua análise. Não compartilho da análise do Cesar Bento sobre as razões da derrota da Maria do Rosário em Porto Alegre. A derrota foi fruto da linha da campanha (amorfa, enfadonha, descontextualizada da história e conquistas da frente popular em porto alegre, etc...) e não de um suposto isolamento do PT em Porto Alegre. Se Tarso repetir os mesmos erros também perderá as eleições para a direita, seja ela representada por quem for.

Vitorino "Milico" Mesquita disse...

O Simon no seu governicho iniciou a "moda" de bater em professores, esqueceram?
No mais, a única outra coisa que me lembro do seu governo foi um informativo: "O Continente", ou algo parecido, impresso em papel especial, pois a administração em si foi uma piada, e de mau gosto.
Não acredito em "terceira via" pois não vão encher a bola do Beto como fizemos no Governo Olívio, entregando a Secretaria dos Transportes para um partido que, à época, cabia numa kombi.
O problema de certos segmentos do PT é que não sabem porque perdemos as eleições, a culpa é sempre dos outros, e ficam procurando chifre em cabeça de cavalo.
A Rosário perdeu pq a sua campanha foi insossa, mais preocupada em agradar a direita e a um eleitorado que não vota em nós de jeito nenhum. E "esqueceu" de valorizar e mencionar a maioria das conquistas dos nossos 16 anos de governo.
Só para recordar, o Tarso fez o mesmo "naquela campanha", esquecendo realizações que saltavam aos olhos, do Governo Olívio, como por exemplo: a modernização da frota metropolitana e a gestão no transporte metropolitano, coisas que estavam evidenciadas no dia a dia.
É o que ocorre quando se faz campanha para agradar a RBS, ou é pautada por ela.
Tenho mais o que dizer mas vamos esperar mais manifestações.

César S. disse...

Ah, devo estar cheio de Realpolitik na corrente sanguínea, pois não acredito na viabilidade dessa via "limpinha". Na verdade, acho que o próprio imaginário que sustenta essa visão da "limpeza" tem seus problemas, e merece ser substituído por outro, talvez aquele da melhoria das condições das pessoas, tornando-as mais prósperas e mais empoderadas, o que certamente pode ser feito com coligações com partidos como o PDT e o PMDB.

Anônimo disse...

A aliança "final" será entre gente que segue e aplica a lei versus gente que acha a lei interessante para manipular os outros.

O PT de certa forma nunca esteve sozinho. E pode muito bem ceder a cabeça em uma aliança forte. Mas pelo menos tem de ser aliança republicana e desenvolvementista.

O pessoal do PDT e do PSD andaram inventando moda, diziam que no mundo tinha vários tons de cinza, que no mundo não era só preto e branco. Aparentemente confundiram marron-cocô com cinza, sofreram ataque de daltonismo e falta de olfato.

Agora PMDB é nucleado pelo pessoal PENSANTe, não tem como nem por onde, são chave de cadeia.

Anônimo disse...

A aliança "final" será entre gente que segue e aplica a lei versus gente que acha a lei interessante para manipular os outros.

O PT de certa forma nunca esteve sozinho. E pode muito bem ceder a cabeça em uma aliança forte. Mas pelo menos tem de ser aliança republicana e desenvolvementista.

O pessoal do PDT e do PSD andaram inventando moda, diziam que no mundo tinha vários tons de cinza, que no mundo não era só preto e branco. Aparentemente confundiram marron-cocô com cinza, sofreram ataque de daltonismo e falta de olfato.

Agora PMDB é nucleado pelo pessoal PENSANTe, não tem como nem por onde, são chave de cadeia.

Luís disse...

Esta do "isolamento do PT gaúcho" é mais uma meia-verdade, em meio a muitas.

O isolamento que o PT sofre é real, sim, mas é muito eleitoral e circunstanciado quando vindo de um PCdoB ou PDT, por exemplo, pela necessidade óbvia de sobrevivência.
Se a Maria do Rosário perdeu a eleição por isto, a perdeu também por muitos outros motivos, e dentre eles com certeza se inclui a sua campanha fraquíssima e humilhante (humilhante não para os cabos-eleitorais, mas para os militantes, porque ela não fez disputa política). Se ela foi abandonada por alguém, deste alguém talvez se inclua boa parte da militância partidária, que bem antes de 2008 tem sido literalmente dispensada pela direção do partido, principalmente a nacional.

A verdadeira discussão - para quem é de esquerda - é o que se pretende participando deste nosso joguinho eleitoral... quem não é sectário sabe que ele é importantíssimo pela mobilização política que propicia e gestão de recursos públicos... mas muitos acham que que ganhar uma eleição coligado a um PTB é tudo na vida, e muitos desses fizeram desse joguinho a sua vida.
Mas, feliz ou infelizmente, eu continuo sonhando e trabalhando olhando além da próxima eleição... o fundamental é saber se ainda defendemos a mesma coisa, não é mesmo?! E acreditem: estou longe de ser o único a fazer esta pergunta.